Estudos indicam que vacina BCG pode ajudar contra a Covid-19 | TVFEIRADESANTANA.com Televisão via Internet

A vacina contra a tuberculose ou vacina BCG surge como uma nova esperança contra a Covid-19, sendo apontada em vários estudos como possível arma para combater o coronavírus. Uma médica e investigadora búlgara dá mesmo o exemplo de Portugal, onde fez pa...

corona, virús, pandemia, epidemia, contágio, mortes, china, wuhan, oms, notícias, infectologistas

Estudos indicam que vacina BCG pode ajudar contra a Covid-19

Publicado por: Redação
03/04/2020 10:46:44
zhudifeng / Canva
zhudifeng / Canva

A vacina contra a tuberculose ou vacina BCG surge como uma nova esperança contra a Covid-19, sendo apontada em vários estudos como possível arma para combater o coronavírus. Uma médica e investigadora búlgara dá mesmo o exemplo de Portugal, onde fez parte do Plano Nacional de Vacinação, para reforçar a ideia, em oposição a Espanha, onde nunca foi dada em massa à sua população.

 

Um artigo publicado na revista científica Science, intitulado “Can a century-old TB vaccine steel the immune system against the new coronavirus?”, alertou as antenas do mundo para a vacina BCG (Bacillus Calmette-Guérin), usada contra a tuberculose, como uma possível arma contra a pandemia de Covid-19.

 

Esta vacina com mais de 100 anos – foi desenvolvida em 1927 por Albert Calmette e Camille Guérin – tem “propriedades anti-infecciosas”, sendo utilizada, nomeadamente, “contra reincidências do câncer da bexiga”, como destaca a TSF, com base no que dizem diversos investigadores.

 

As vacinas costumam dar “respostas imunológicas específicas a patógenos determinados”, mas no caso da BCG acredita-se que também pode “aumentar a capacidade do sistema imunitário de lutar contra outros patógenos” e não apenas contra a bactéria que provoca a tuberculose. Esta foi a conclusão de um estudo feito na Guiné Bissau pelos investigadores dinamarqueses Peter Aaby e Christine Stabell Benn.

 

Aaby e Benn concluíram que a BCG preveniu cerca de 30% das infecções por qualquer patógeno conhecido, nomeadamente vírus, no primeiro ano após ter sido ministrada. Mas as conclusões mereceram reparos da Organização Mundial de Saúde.

 

De qualquer modo, outros estudos têm reforçado que a BCG pode ter benefícios para o reforço do sistema imunitário – note-se que na Covid-19, é a resposta “inflamatória” do sistema imunitário ao vírus que, geralmente, provoca as complicações que acabam por matar os pacientes.

 

Uma investigação de um especialista em doenças infecciosas do Centro Médico da Universidade holandesa Radboud, Mihai Netea, concluiu que a BCG pode responder o que ele apelida de “imunidade treinada”. Numa pesquisa de 2018, Netea e a sua equipe concluíram que a vacina BCG “protege contra uma infecção experimental com forma enfraquecida do vírus da febre amarela”.

 

Este estudo de Netea inspirou o Instituto Max Planck para a Biologia Infecciosa a iniciar um ensaio com pessoas idosas e profissionais de saúde com uma versão geneticamente modificada da BCG que ainda não foi aprovada contra a tuberculose, como relata a Science.

 

Na Austrália, a Universidade de Melbourne também está fazendo uma pesquisa com profissionais de saúde seguindo a mesma ideia. E no Reino Unido, a Universidade de Exeter segue a mesma tese para testar a vacina em idosos.

 

“Espanha severamente afetada, enquanto Portugal vacina os filhos desde o nascimento”

 

Para lá dos estudos, a médica Lyubima Despotova, presidente da Sociedade para os Cuidados Paliativos da Bulgária, olha também para os números da pandemia e para a forma como o coronavírus se está a propagar pelo mundo, revelando-se mais letal em certos países do que noutros. Ela acredita que isso pode estar relacionado com a maior disseminação ou não da vacina BCG nas populações.

 

“Se olharmos para o mapa das políticas reais dos países na actualidade, o mapa da Europa, bem como a crescente epidemia nos Estados Unidos [onde a vacina nunca foi dada em massa], sobrepõem-se completamente ao mapa das políticas de vacinação nacionais. Os países que abandonaram a vacina contra a tuberculose (BCG) há décadas estão, actualmente, no meio de uma epidemia e são severamente afectados“, analisa a especialista em medicina geral em declarações divulgadas pela TSF.

 

“Há alguns dias, foi publicado um mapa da Alemanha, detalhando o desenvolvimento da Covid-19 e existe uma diferença significativa entre a antiga Alemanha Oriental e a antiga Alemanha Ocidental. A Alemanha Oriental é até três vezes menos afectada. E, novamente, há uma coincidência entre o uso massivo de BCG na antiga Alemanha de Leste, RDA e a Alemanha Federal que, nos anos noventa, deixou de a aplicar”, acrescenta Lyubima Despotova.

 

A médica dá ainda um exemplo mais próximo, frisando que Espanha, onde a BCG nunca foi dada em massa à população, está a ser “severamente afectada, enquanto o vizinho Portugal vacina os seus filhos desde o nascimento até aos 12 anos de idade”. Lyubima Despotova acredita que “essa é a diferença” para o facto de os dois países estarem a viver situações muito distintas.

 

Em Portugal, a vacina BCG fez parte do Plano Nacional de Vacinação desde que este foi implementado, em 1965, até 2017, sendo administrada a grande parte das crianças logo após o nascimento. Desde Janeiro de 2017, deixou de integrar a vacinação universal face à baixa incidência de tuberculose em Portugal. Apenas passaram a ser vacinadas com BCG “as crianças que pertencem a grupos de risco” para esta doença ou “as que vivem numa determinada comunidade, com uma elevada incidência da doença”, como explica a Direcção Geral de Saúde.

 

Sobre a vacina BCG, Lyubima Despotova ainda destaca a diferença entre as estirpes que são usadas nos diferentes países. As estirpes “búlgara, japonesa, brasileira e russa são todas muito semelhantes”, “são estirpes do tipo antigo, estáveis há décadas“, nota, lembrando que são países onde há menor incidência de Covid-19.

 

“A Bulgária continua a ser o único país no mundo que apoia a imunização com um processo de revacinação” com BCG, refere ainda Lyubima Despotova.

 

Fonte: SV, Planeta ZAP //

Imagens de notícias

Tags:

Compartilhar